CBD e Epilepsia: sintomas, eficácia clínica e efeitos

A epilepsia é uma doença crónica que afecta os neurónios cerebrais, que mostram uma actividade eléctrica descontrolada e improvisada. A CDB poderia ser de grande ajuda para lidar com a epilepsia e as suas consequências devido ao seu efeito anticonvulsivo, antioxidante, anti-inflamatório e analgésico.

CBD e Epilepsia: sintomas, eficácia clínica e efeitos
Tardarás en leer este post tan solo 10 min

O que é a epilepsia?

A epilepsia é uma doença crónica que afecta os neurónios cerebrais, que mostram uma actividade eléctrica descontrolada e improvisada que causa consequências físicas e psicológicas de diferentes tipos, afectando a qualidade da vida diária de uma forma variável, dependendo da gravidade da doença.

Afecta cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo (400.000 em Espanha) e cerca de 5 milhões de casos são diagnosticados todos os anos (20.000 em Espanha), sendo que o seu início ocorre principalmente antes dos 20 anos ou depois dos 65, triplicando o risco de morte prematura. A frequência das crises epilépticas pode variar muito, desde uma por ano até várias no mesmo dia.

As crises epilépticas duram geralmente alguns minutos e podem afectar uma área cerebral específica (crises parciais) ou espalhar-se por toda a superfície cerebral (crises generalizadas), causando crises de 4 tipos:

  • Episódios de ausência: o tipo mais suave mas generalizado, a pessoa permanece ausente, sem responder a estímulos e inconsciente, embora possa realizar movimentos repetitivos automáticos sem mais tarde se lembrar deles.
  • Convulsões tónicas: caracterizadas por rigidez e contracções musculares parciais ou generalizadas, afectando a consciência dependendo da área envolvida.
  • Convulsões clónicas: caracterizadas por contracções musculares parciais ou generalizadas e espasmos, com diferentes graus de comprometimento da consciência.
  • Convulsões tónico-clónicas: as mais severas e generalizadas, caracterizadas por uma fase tónica inicial seguida de contracções musculares, perda de consciência, perda frequente do controlo dos esfíncteres e mordedura da língua.

A doença é diagnosticada pela presença de duas ou mais convulsões não provocadas, mais um exame neurológico cuidadoso que pode registar o padrão eléctrico anormal e o foco cerebral do início das descargas.

Algumas pessoas pouco antes de terem uma crise epiléptica experimentam uma aura: um conjunto de sensoriais (cheiros, cores, sons anormais), psicológicas (deja-vu, medo) e físicas (formigueiro, náuseas) sensações específicas de cada pessoa, avisando que uma crise está prestes a começar.

Algumas das consequências destes ataques são:

Problemas físicos:

Fracturas e contusões resultantes de traumatismos e quedas devido a perda de consciência.
Dores musculares e dores
Dores de cabeça
Morte causada pela própria apreensão (raramente), pelos traumas resultantes da perda de consciência ou pelo ambiente em que ocorrem.

Problemas psicológicos:

  • Confusão mental
  • Perturbações das funções cognitivas (atenção, memória, funções executivas)
  • Perturbações do humor, tais como ansiedade e depressão, resultantes da presença da própria doença e/ou do estigma e discriminação social (na antiguidade era considerada uma “posse do diabo” e até aos anos 70 nos EUA e no Reino Unido as pessoas com epilepsia podiam ser restringidas a lugares e empregos públicos e/ou proibidas de casar, como é hoje o caso na China e na Índia).

Limitações na vida diária: muitas actividades diárias ou de trabalho não são recomendadas, tais como conduzir, operar máquinas, nadar, bem como evitar lugares perigosos em caso de perda de consciência. É aconselhável transportar um dispositivo electrónico para pedir ajuda rápida ou uma pulseira de identificação médica, e usar um capacete em função da actividade empreendida.

Causas e tratamento da epilepsia

As causas são desconhecidas (idiopáticas) em 50-70% dos casos, enquanto as outras podem ser causadas por doenças estruturais, genéticas, infecciosas, metabólicas ou imunológicas subjacentes. As mais comuns são: lesões cerebrais, malformações genéticas, AVC, infecções ou tumores cerebrais.

Existem algumas convulsões (epilepsia reflexa) que são facilitadas por estímulos sensoriais repetitivos como luzes ou sons (por exemplo, alguns jogos de vídeo), enquanto as convulsões causadas por factores como a falta de sono, febre alta, stress ou abuso de substâncias não são consideradas epilepsia, uma vez que não têm origem num problema neurológico cerebral.

Crianças

As crianças podem sofrer de crises epilépticas causadas por um estado febril e pelo seu próprio desenvolvimento cerebral e podem desenvolver Dravet ou Síndrome de Lennox-Gastaut, duas patologias que causam frequentes crises epilépticas do tipo clónico ou tónico-clónico desde a primeira infância, que podem limitar severamente o desenvolvimento psicomotor e podem ser resistentes ao tratamento farmacológico.

Com tratamento farmacológico adequado, 70% das pessoas podem viver sem convulsões, e a retirada pode ser considerada após os dois anos sem convulsões, dependendo do caso.

Em alguns casos, é necessário recorrer a uma combinação de drogas diferentes.

Se não houver resposta a drogas (epilepsia resistente a drogas), é possível recorrer à cirurgia dependendo da origem do foco do cérebro ou implantando um estimulador do nervo vago (VNS).

Como é que a CDB ajuda a epilepsia?

O efeito anti-epiléptico da CDB foi demonstrado em estudos in vivo pré-clínicos (com animais) em diferentes modelos experimentais.

Existe uma grande quantidade de informação científica tanto de estudos como de inquéritos sobre casos reais (especialmente em crianças com Síndrome de Dravet ou Síndrome de Lennox-Gastaut), cujos resultados mostram uma elevada capacidade de reduzir e até cancelar o número de convulsões epilépticas.

O primeiro ensaio clínico realizado em crianças com Síndrome de Dravet mostrou provas do tipo 1 para a utilização da CDB como adjuvante de tratamentos farmacológicos.CBD epilepsia

Epilepsia e o sistema endocannabinoide

Foi relatada uma redução dos níveis de Anandamida e da actividade receptora de CB1 em pessoas que sofrem de epilepsia.

Os efeitos anti-epilépticos do THC parecem ser devidos à estimulação dos receptores de CB1, enquanto que a CDB actua modulando diferentes mecanismos relacionados com a epilepsia, bem como indirectamente ajudando a aumentar os níveis de Anandamida e consequentemente aumentando a actividade dos receptores de CB1.

Segundo estudos, o efeito anti-epiléptico da CDB poderia também dever-se à modulação dos receptores GPR55, à estimulação dos receptores TRPV e 5-HT e à inibição do transporte de adenosina.

Eficácia clínica da CDB para o tratamento da epilepsia

A CDB poderia ser de grande ajuda para lidar com a epilepsia e as suas consequências devido às suas diferentes propriedades:

  • Efeito anti-epiléptico e anticonvulsivo: ajuda a reduzir as apreensões tanto em frequência como em intensidade.
  • Efeito neuroprotector e antioxidante: ajuda a reduzir os danos e o desperdício neuronal causados pela epilepsia, melhorando os problemas cognitivos.
  • Efeito anxiolítico e antidepressivo: ajuda a melhorar o humor e as consequências psicológicas e emocionais da própria doença e da discriminação social.
  • Efeito anti-inflamatório e analgésico: ajuda a melhorar os problemas físicos resultantes de ataques epilépticos.CBD epilepsia

Quantas gotas de CDB são recomendadas para epilepsia?

Vários estudos clínicos em humanos utilizaram uma dosagem mínima de 2-5 mg/kg/dia, aumentando para cerca de 25-50 mg/kg/dia dependendo do início dos efeitos, embora estudos em crianças com Síndrome de Dravet ou Lennox-Gastaut tenham utilizado quantidades inferiores. Há também muitos estudos com doses mais padronizadas de 200mg a 300mg por dia.

Em geral, para uso interno (não regulamentado na UE) recomenda-se a utilização de um óleo de concentração média-alta (10%-20%), começando com doses mínimas e aumentando gradualmente até se obter o efeito mais adequado.

É essencial poder consultar profissionais de saúde especializados para aconselhamento e acompanhamento, considerando que a CDB é utilizada como adjuvante do tratamento farmacológico e que as interacções com medicamentos (especialmente Clobazam e Valproate) podem ser observadas.

Precauções e possíveis efeitos adversos

A CDB é uma substância muito segura mesmo se utilizada em grandes quantidades, mas deve-se ter cuidado ao tomar medicamentos ou se sofrer de problemas cardíacos ou de tensão arterial. Por este motivo, nestes casos é sempre aconselhável contactar um profissional de saúde.

Os efeitos adversos são geralmente leves a moderados e podem incluir cansaço, sonolência, boca seca, tonturas e diminuição do apetite.

Bibliografia

  1.  https://www.who.int/es/news-room/fact-sheets/detail/epilepsy
  2.  https://www.clinicbarcelona.org/asistencia/enfermedades/epilepsia/signos-y-sintomas
  3. https://vivirconepilepsia.es/que-es-la-epilepsia
  4.  https://medlineplus.gov/spanish/ency/article/000694.htm
  5.  https://www.msdmanuals.com/es/professional/trastornos-neurol%C3%B3gicos/trastornos-convulsivos/trastornos-convulsivos
  6. https://dravetfoundation.eu/sobre-dravet/
  7. https://medlineplus.gov/genetics/condition/lennox-gastaut-syndrome/#inheritance
  8. Perucca E. (2017). Cannabinoids in the Treatment of Epilepsy: Hard Evidence at Last?. Journal of epilepsy research, 7(2), 61–76. https://doi.org/10.14581/jer.17012
  9. O’Connell, B. K., Gloss, D., & Devinsky, O. (2017). Cannabinoids in treatment-resistant epilepsy: A review. Epilepsy & behavior : E&B, 70(Pt B), 341–348. https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1525505016306254
  10. Billakota, S., Devinsky, O., & Marsh, E. (2019). Cannabinoid therapy in epilepsy. Current opinion in neurology, 32(2), 220–226. https://doi.org/10.1097/WCO.0000000000000660
  11. Silvestro, S., Mammana, S., Cavalli, E., Bramanti, P., & Mazzon, E. (2019). Use of Cannabidiol in the Treatment of Epilepsy: Efficacy and Security in Clinical Trials. Molecules (Basel, Switzerland), 24(8), 1459. https://doi.org/10.3390/molecules24081459
  12. Gray, R. A., & Whalley, B. J. (2020). The proposed mechanisms of action of CBD in epilepsy. Epileptic disorders : international epilepsy journal with videotape, 22(S1), 10–15. https://doi.org/10.1684/epd.2020.1135
  13. Gaston, T. E., & Szaflarski, J. P. (2018). Cannabis for the Treatment of Epilepsy: an Update. Current neurology and neuroscience reports, 18(11), 73. https://doi.org/10.1007/s11910-018-0882-y
  14. Huntsman, R. J., Tang-Wai, R., & Shackelford, A. E. (2020). Cannabis for Pediatric Epilepsy. Journal of clinical neurophysiology : official publication of the American Electroencephalographic Society, 37(1), 2–8. https://doi.org/10.1097/WNP.0000000000000641
  15. Zaheer, S., Kumar, D., Khan, M. T., Giyanwani, P. R., & Kiran, F. (2018). Epilepsy and Cannabis: A Literature Review. Cureus, 10(9), e3278. https://doi.org/10.7759/cureus.3278
Tommaso Bruscolini (Autor)

Tommaso Bruscolini (Rimini, Italia) é um neuropsicólogo e fitoterapeuta que reside em Barcelona, onde exerce clínica privada desde 2014, tanto presencialmente como online, e se dedica a formular e produzir diferentes preparações com todo o tipo de plantas medicinais, além de fazer recomendações personalizadas.

SABER MÁS

ARTÍCULOS RELACIONADOS

Leave a Reply

Assine a nossa newsletter e receba 10% de desconto no seu primeiro pedido. Respeitamos a sua privacidade
SEU CARRINHO
Your cart is emptyReturn to Shop