10% de desconto na sua primeira encomenda e envio gratuito no prazo de 48h em encomendas superiores a 40 euros.
DESCONTOS ÚNICOS 10% DE DESCONTO
6 diferenças entre CBD e CBG

A planta cannabis contém numerosos compostos diferentes (mais de 480 foram descritos), e pelo menos 100 destas substâncias são exclusivas da planta e por esta razão são chamadas fitocanabinóides. Os mais abundantes e conhecidos até o momento são o tetrahidrocanabinol, ou THC, e o canabidiol, ou CBD.

Socialmente, as estirpes com elevado teor de CBD são designadas como cânhamo e aquelas com THC como marijuana. No entanto, esta diferença não é muito eficaz a nível botânico, uma vez que a planta é muito mais complexa e cada estirpe contém diferentes concentrações tanto de CBD como de THC, bem como de outros canabinóides menos abundantes mas não menos importantes. Um dos mais estudados hoje e que está causando muito boas expectativas é o Cannabigerol ou CBG.

O que é CBG?

Descrito pela primeira vez em 1964 por Gaoni e Mechoulam, o CBG é um dos canabinóides menos estudados devido à sua baixa presença na planta de cannabis (cerca de 1%). No entanto, a importância deste composto é crucial para a síntese de outros canabinóides.

Todos os canabinóides presentes na planta da canábis são derivados do ácido canabigerólico (CBGA), que é a forma ácida do CBG. À medida que a planta amadurece, o CBGA é convertido pelas enzimas vegetais em três precursores principais de canabinóides:

  • ácido tetrahidrocannabinólico (THCA)
  • ácido cannabidiólico (CBDA)
  • ácido cannabicroménico (CBCA)

CBD e THC não são encontrados como tais na planta. Para converter CBDA e THCA em CBD e THC respetivamente, devemos aquecer o material para produzir um processo químico conhecido como descarboxilaxia, que consiste na perda de uma molécula de CO2. [1]

A partir das quantidades de CBGA que não são convertidas nestes precursores, ou em qualquer outro canabinóide menor, o CBG também é formado por descarboxilação. Isto explicaria o baixo teor de CBG em comparação com os compostos que dele se originam e porque os seus mecanismos de ação eram desconhecidos até recentemente.

No entanto, os produtores de cannabis podem brincar com os níveis de canabinóides nas suas plantas através da reprodução selectiva. Além disso, através da engenharia genética, foi possível inativar as enzimas responsáveis ​​por esta conversão, permitindo a seleção de variedades vegetais com elevado teor de CBG, possibilitando o seu estudo e transformando-a numa molécula com grande potencial terapêutico. [2]

Um método mais fácil de preservar o CBG é simplesmente colher as plantas mais cedo, antes de terem a oportunidade de converter o CBG noutros canabinóides.

Receptores CB1 e CB2 

Os receptores CB1 estão localizados no sistema nervoso central, em áreas relacionadas às funções cognitivas, memória, ansiedade, dor, percepção sensorial, etc. [3] 

Por outro lado, a activação dos receptores CB2 é responsável pelas propriedades imunomoduladoras do CBG. [5]

Receptores TRPV

Esses receptores medeiam uma ampla variedade de funções celulares, como iniciação da dor, termorregulação, inflamação, entre outras. [4] O CBG inibe o receptor TRPV8 e estimula a atividade dos receptores TRPV1, TRPV2, TRPA1, TRPV3 e TRPV4. [6]

Receptores 5-HT1A

São encontrados principalmente no sistema nervoso central e estão envolvidos em processos como ansiedade, dependência, apetite, sono, percepção de dor, náuseas e vômitos, entre outros. [5] 

Foi demonstrado que o CBG estimula a atividade desses receptores. Este fato está relacionado ao efeito ansiolítico, antidepressivo e neuroprotetor do CBG. [5]

O CBG deixa você chapado?

Tal como o CBD, o CBG não é psicoativo. Para que um canabinóide produza efeitos psicoactivos, deve activar os receptores CB1. O CBG interage com este receptor de forma muito limitada, estimulando-o a tal ponto que não causa estes efeitos. Na verdade, pode neutralizar os efeitos psicoativos do THC quando consumido simultaneamente.

Tudo isto torna o CBG muito atrativo a nível terapêutico, uma vez que o efeito psicoativo pode ser considerado um efeito secundário indesejado.

O CBG pode ser combinado com o CBD?

Além de não terem efeitos psicoactivos, o CBD e o CBG partilham muitas propriedades terapêuticas que podem actuar sinergicamente se usados ​​em conjunto e oferecer um efeito mais benéfico em comparação com quando usados ​​separadamente. 

Esta cooperação entre vários componentes da planta Cannabis para obter um efeito mais poderoso é chamada de entourage ou efeito sinérgico.

Por exemplo, tanto o CBD como o CBG têm um efeito neuroprotetor. No entanto, o CBG faz isto estimulando a produção de proteínas chamadas BDNF, enquanto o CBD actua aumentando os níveis de anandamida, um neuroprotector que modula os receptores CB1. Portanto, embora sejam diferentes em vários aspectos, o CBD e o CBG podem ser uma excelente combinação se consumidos em conjunto. 

O aspecto neuroprotetor destes dois Canabinóides foi especialmente estudado, apontando que os seus efeitos são potenciados quando combinados.

Diferenças entre CBG e CBD

 CBGCBD
Onde é mais abundanteFlores de cânhamo prematuras (colheita precoce) e variedades especiais)Flores maduras de cânhamo
Efeitos na inflamaçãoEfeitos antiinflamatórios (IL-1, IL-10, IFN-?)Efeitos antiinflamatórios (TNF-a, NFkB, IFN-?, IL-4, IL-6, IL-8, IL-12)
DisponibilidadeDifícil de encontrarAmplamente disponível

Quais produtos são comercializados com CBG?

Atualmente em Espanha é permitido o cultivo e comercialização de produtos derivados da Canábis, desde que contenham menos de 0,02% de THC. 

No entanto, é raro, embora possível, encontrar formatos como óleo CBG, creme ou bálsamos enriquecidos com CBG e outros canabinóides.

Conclusões

Neste momento sabemos que uma das chaves da sua eficácia reside na sua combinação com outros canabinóides e componentes vegetais (terpenos, flavonóides, etc.). Mas ainda há muito para saber sobre a mãe dos canabinóides, à medida que a ciência da Cannabis cresce, continuaremos atentos e a ouvir o que esta planta pode fazer para melhorar a qualidade de vida das pessoas em todo o mundo.

Referências:

  1. Degenhardt F, Stehle F, Kayser O. The Biosynthesis of cannabinoids. En Handbook of Cannabis and Related Pathologies. 2017, Pages 13-23. 
  2. S Deina. Potential Medical Uses of Cannabigerol. A Brief Overview. En Handbook of cannabis and related pathologies. 2017, Pages 958-967. 
  3. Katona I, Freund TF. Multiple functions of endocannabinoid signaling in the brain. Annu Rev Neurosci. 2012.
  4. Zhang HY, Gao M, Shen H, Bi GH y cols. Expression of functional cannabinoid CB2 receptor in VTA dopamine neurons in rats. Addict Biol. 2016. 
  5. Ethan B. Russo. Cannabis Pharmacology: The Usual Suspects and a Few Promising Leads. En Advances in Pharmacology. 2017, Pages 67-134. 
  6. TV Zanelati,* C Biojone,* FA Moreira, FS Guimarães and SRL Joca. Antidepressant-like effects of cannabidiol in mice: possible involvement of 5-HT1A receptors. Br J Pharmacol. 2010. 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Informação do autor

Biotecnologista : Especializado em comunicação científica

Nuria Chamorro Dia
CBD, o seu momento diário da natureza.
Descubra todos os nossos produtos
Ir para a loja
Quando a tecnologia e a natureza se encontram, o resultado é O Laboratório Beemine.
Tienda
Inscreva-se e receba 10% de desconto na sua primeira encomenda
usercartmagnifiercrosschevron-downplus-circle
    Conversa aberta
    1
    💬 Precisa de ajuda?
    Olá
    Como é que o podemos ajudar?