10% de desconto na sua primeira encomenda e envio gratuito no prazo de 48h em encomendas superiores a 40 euros.
DESCONTOS ÚNICOS 10% DE DESCONTO
O que são terpenos? Funcionamento e Benefícios

O que são terpenos? Funcionamento e Benefícios

Quando falamos dos efeitos e propriedades da Canábis referimo-nos principalmente aos seus principais ingredientes ativos, os fitocanabinóides como o CBD e o THC

No entanto, existem outros componentes muito semelhantes capazes de influenciar e realçar os diferentes efeitos da Canábis, trabalhando em sinergia com os fitocanabinóides: são os terpenos. Hoje em dia ouvimos frequentemente falar de terpenos, mas o que são exactamente terpenos? Por que os efeitos da Cannabis influenciam? O que são terpenos e quais propriedades eles possuem? 

Neste artigo você poderá tirar todas as suas dúvidas e adquirir alguns conhecimentos muito úteis.

O que são terpenos?

Os terpenos são compostos orgânicos aromáticos e voláteis presentes na grande maioria das plantas, sendo responsáveis ​​pelo seu aroma, cheiro e sabor característicos.Na verdade, existem na natureza mais de 30.000 terpenos diferentes, portanto, representam o maior grupo de todos os fitoquímicos.

O tipo, a quantidade e a proporção de terpenos presentes em uma determinada planta constituem o seu óleo essencial específico, que deverá ser extraído por destilação, pois, por ser um óleo, não é solúvel em água. Por exemplo, o óleo essencial de limão é composto por diversos terpenos, entre os quais se destaca o Limoneno (daí o seu nome), que pode estar presente em muitas outras plantas embora em concentrações menos significativas. 

De acordo com o grau de volatilidade e a complexidade de sua estrutura, os terpenos são divididos em monoterpenos (muito voláteis), sesquiterpenos, diterpenos, triterpenos, tetraterpenos e politerpenos (baixa volatilidade).

(1-2-3-6-7-8) 

Terpenos na cannabis

A planta Cannabis não produz terpenos exclusivos, todos os que contém também estão presentes em outras plantas, que quando utilizados em conjunto podem gerar um efeito sinérgico. No entanto, existem centenas de variedades de Canábis e cada uma desenvolve uma mistura diferente de terpenos, que caracteriza e distingue o seu aroma e os seus efeitos físicos e mentais para além do seu conteúdo fitocanabinoide.

Onde estão localizados, que função desempenham e como interagem com os canabinóides?

Os terpenos, assim como os fitocanabinóides, não cumprem nenhuma função vital para a planta, mas representam mecanismos de defesa que cumprem uma função adaptativa, essencial para garantir a sua sobrevivência em diferentes condições ambientais. 

Por exemplo, uma das funções mais importantes dos terpenos e fitocanabinóides é atrair insectos polinizadores e repelir fungos, bactérias e outros insectos potencialmente patogénicos.

Na planta cannabis, os terpenos e os fitocanabinóides são dois componentes muito semelhantes que estão localizados em estruturas chamadas tricomas, onde são produzidos e conservados juntos de forma simbiótica. Na verdade, partilham o mesmo desenvolvimento (ou seja, durante um certo tempo são a mesma substância) até um momento em que se diferenciam, representando os fitocanabinóides uma verdadeira “evolução” dos terpenos que ocorre apenas na planta da canábis. 

Os terpenos e os fitocanabinóides são os dois principais componentes da resina de canábis e interagem entre si, portanto o tipo de efeito do THC e do CBD, tanto experimental como terapeuticamente, pode variar dependendo do tipo e quantidade de terpenos presentes em cada planta. Por este motivo, existem variedades que proporcionam efeitos mais relaxantes ou mais estimulantes, que geralmente tendem a corresponder à genética respetivamente mais indica ou mais sativa, embora tenham a mesma quantidade de fitocanabinóides.

(1-2-3-6-7-8)

Que terpenos são encontrados na cannabis?

Os terpenos podem representar até 10% do teor de tricomas quando a planta está fresca, mas devido à sua volatilidade e estrutura, a maioria dos terpenos (especialmente os monoterpenos) são perdidos durante as fases de secagem e cura, embora com técnicas de extração da planta fresca seja possível otimizar sua conservação.

Limoneno (monoterpeno)

O limoneno é o segundo terpeno mais presente na natureza, presente principalmente em frutas cítricas como limão, laranja, toranja ou bergamota, além de algumas variedades de hortelã e alecrim. Na cannabis, é um terpeno que pode ser encontrado especialmente nas variedades sativa e geralmente se distingue claramente pelo seu aroma de limão.

Que usos medicinais o limoneno pode ter? 

O limoneno possui excelentes propriedades imunoestimulantes, além de ter acentuado efeito ansiolítico e antidepressivo e ser benéfico para o aparelho digestivo, principalmente em caso de refluxo gastroesofágico. O limoneno também possui propriedades terapêuticas se aplicado externamente, atuando como antibacteriano e antifúngico. 

Graças à presença do limoneno, destacam-se os efeitos ansiolíticos e antidepressivos do CBD, além de aumentar a sua capacidade de estimular o sistema imunitário e potenciar os seus benefícios a nível tópico, nomeadamente no caso de acne.

(1-2-4-9)

Mirceno (monoterpeno)

Mirceno é o terpeno característico da planta do lúpulo, além de estar presente em algumas variedades de tomilho e manga. A cannabis é uma planta com características muito semelhantes às do lúpulo, por isso o mirceno está amplamente distribuído em muitas variedades, embora em concentrações mais elevadas na genética mais indica.

Que usos medicinais o mirceno pode ter?

Mirceno possui propriedades analgésicas e antiinflamatórias, além de promover o relaxamento e o sono. A presença de mirceno aumenta o efeito sedativo e relaxante tanto do CBD como do THC (como pode ser experimentado ao beber cannabis e cerveja artesanal), além de realçar as suas propriedades anti-dor e anti-inflamatórias.

(1-2-4)

Pineno (monoterpeno)

O pineno é o terpeno mais presente na natureza, característico de todas as coníferas como o pinheiro, o abeto, o cipreste, o zimbro e o alecrim, além de estar presente na pimenta-do-reino e em muitas outras plantas. Na cannabis ocorre em maior quantidade na genética mais indica, embora possa ser encontrada em muitos híbridos.

Que usos medicinais o pineno pode ter? 

O pineno é um excelente antiinflamatório e também particularmente benéfico no aparelho respiratório, devido ao seu efeito balsâmico e broncodilatador. Uma propriedade interessante do pineno é estimular as funções cognitivas, favorecendo os mecanismos de atenção e memória. 

A presença de pineno destaca especialmente as propriedades antiinflamatórias do CBD e do THC.

(1-2-3-6)

Linalol (monoterpeno)

Graças ao seu efeito relaxante tanto a nível mental como físico, o linalol possui propriedades ansiolíticas, sedativas e anticonvulsivantes, além de atuar como antiinflamatório tanto interna quanto externamente. Estas propriedades combinam perfeitamente com as do CBD, potenciando os seus benefícios contra problemas de ansiedade e stress e aumentando o seu efeito anticonvulsivante e anti-inflamatório.

(1-2-3-4-5-6)

Que usos medicinais o linalol pode ter? 

Graças ao seu efeito relaxante tanto a nível mental como físico, o linalol possui propriedades ansiolíticas, sedativas e anticonvulsivantes, além de atuar como antiinflamatório tanto interna quanto externamente. Estas propriedades combinam perfeitamente com as do CBD, potenciando os seus benefícios contra problemas de ansiedade e stress e aumentando o seu efeito anticonvulsivante e anti-inflamatório.

(1-2-3-4-5-6)

Beta-Cariofileno (sesquiterpeno)

O beta-cariofileno é o terpeno característico da pimenta preta, mas pode ser encontrado em outras plantas, como lúpulo, cravo e manjericão. Na cannabis ocorre em quase todas as genéticas e representa o terpeno mais presente nas flores e nos extratos secos, por ser um sesquiterpeno tem menor volatilidade e pode ser mantido e preservado após os processos de secagem, cura e extração.

Que usos medicinais o beta-cariofileno pode ter? 

O beta-cariofileno possui propriedades analgésicas e anti-inflamatórias muito peculiares, pois é capaz de estimular diretamente o nosso sistema endocanabinóide, agindo de forma muito semelhante aos fitocanabinóides. Por esta razão, o beta-cariofileno é considerado um “canabinóide mimético” e se for utilizado em conjunto, especialmente com o CBD, é possível obter um efeito anti-inflamatório muito mais potente do que utilizar as duas substâncias separadamente. O beta-cariofileno também oferece muitos benefícios para o sistema digestivo.

(1-2-4-10)

Eucaliptol (monoterpeno)

O eucaliptol é o terpeno característico do eucalipto, da árvore do chá e de muitos tipos de alecrim, enquanto na cannabis pode ser encontrado em algumas genéticas, especialmente na sativa. O eucaliptol é o único terpeno capaz de estimular o Sistema Nervoso Central e deve ser utilizado em quantidades reduzidas.

Que usos medicinais o eucaliptol pode ter? 

Além das propriedades expectorantes e broncodilatadoras, o eucaliptol é um excelente analgésico e antiinflamatório, destacando as mesmas propriedades do THC e do CBD e favorecendo um efeito mais energizante.

(1-2)

Outros terpenos que vale a pena mencionar

Humuleno (sesquiterpeno)

O Humuleno ou Alfa-cariofileno é um terpeno característico do lúpulo, embora também seja encontrado no manjericão e na sálvia, com propriedades antiinflamatórias e antimicrobianas que se destacam em sinergia com os fitocanabinóides.

Óxido de Cariofileno (sesquiterpeno)

O óxido de cariofileno está presente especialmente nas plantas de erva-cidreira e eucalipto, com ótimas propriedades antifúngicas. Na cannabis está presente em muitas genéticas, pois é derivado do beta-cariofileno, e representa o aroma que os cães policiais antidrogas são treinados para procurar.

Nerolidol (sesquiterpeno)

O nerolidol está presente em algumas frutas cítricas e possui propriedades relaxantes, antimicrobianas e antifúngicas que também são muito úteis na aplicação externa, além de facilitar a absorção de outros componentes pela pele.

Fitol (diterpeno)

É um composto derivado da oxidação da clorofila e da vitamina E, com efeitos relaxantes e calmantes.

(11-12)

Como são usados ​​os óleos essenciais? Recomendações e dosagem

Em geral, os óleos essenciais não são aplicados diretamente, mas são misturados, diluídos e usados ​​em quantidades pequenas e seguras para evitar efeitos colaterais indesejados, como envenenamento ou irritações na pele.

  • Via interna (ingestão): a grande maioria dos óleos essenciais são próprios para consumo humano e são utilizados na indústria alimentícia como aromatizantes. Os óleos essenciais podem ser misturados em meio gorduroso como óleo ou leite ou em diversos tipos de alimentos, sem ultrapassar a dose máxima recomendada de 1 a 2 gotas por dia. 
  • Via interna (inalação): devido à sua volatilidade, os terpenos podem ser inalados tanto através de difusor quanto de vaporizador, sempre diluídos em concentrações seguras. Vale destacar a alta biodisponibilidade de alguns terpenos como o pineno e o limoneno, que podem ser absorvidos até 70-80% por inalação. (2)
  • Via externa: existem óleos essenciais adequados apenas para uso externo, como a Árvore do chá, que devem ser diluídos na concentração de 1-2% em um óleo base ou creme antes de serem aplicados. Na grande maioria dos produtos cosméticos existentes no mercado, os terpenos são utilizados na forma pura (linalool, pineno, limoneno), tanto pelas suas propriedades individuais como pela sua capacidade de promover a absorção cutânea de outros compostos.

Bibliografía:

1 - https://www.fundacion-canna.es/los-terpenos

2 - Russo E. B. (2011). Taming THC: potential cannabis synergy and phytocannabinoid-terpenoid entourage effects. British journal of pharmacology, 163(7), 1344–1364. https://doi.org/10.1111/j.1476-5381.2011.01238.x

3 - LaVigne, J. E., Hecksel, R., Keresztes, A., & Streicher, J. M. (2021). Cannabis sativa terpenes are cannabimimetic and selectively enhance cannabinoid activity. Scientific reports, 11(1), 8232. https://doi.org/10.1038/s41598-021-87740-8

4 - Liktor-Busa, E., Keresztes, A., LaVigne, J., Streicher, J. M., & Largent-Milnes, T. M. (2021). Analgesic Potential of Terpenes Derived from Cannabis sativa. Pharmacological reviews, 73(4), 98–126. https://doi.org/10.1124/pharmrev.120.000046

5 - Peana AT, D’Aquila PS, Panin F, Serra G, Pippia P, Moretti MDL. Anti-inflammatory activity of linalool and linalyl acetate constituents of essential oils. Phytomedicine. 2002;9(8):721–6

6 - Weston-Green, K., Clunas, H., & Jimenez Naranjo, C. (2021). A Review of the Potential Use of Pinene and Linalool as Terpene-Based Medicines for Brain Health: Discovering Novel Therapeutics in the Flavours and Fragrances of Cannabis. Frontiers in psychiatry, 12, 583211. https://doi.org/10.3389/fpsyt.2021.583211

7 - Sommano SR, Chittasupho C, Ruksiriwanich W, Jantrawut P. The Cannabis Terpenes. Molecules. 2020 Dec 8;25(24):5792. doi: 10.3390/molecules25245792. PMID: 33302574; PMCID: PMC7763918.

8 - Booth, J. K., & Bohlmann, J. (2019). Terpenes in Cannabis sativa - From plant genome to humans. Plant science : an international journal of experimental plant biology, 284, 67–72. https://doi.org/10.1016/j.plantsci.2019.03.022

9 - Anandakumar, P., Kamaraj, S., & Vanitha, M. K. (2021). D-limonene: A multifunctional compound with potent therapeutic effects. Journal of food biochemistry, 45(1), e13566. https://doi.org/10.1111/jfbc.13566

10 - Scandiffio, R., Geddo, F., Cottone, E., Querio, G., Antoniotti, S., Gallo, M. P., Maffei, M. E., & Bovolin, P. (2020). Protective Effects of (E)-?-Caryophyllene (BCP) in Chronic Inflammation. Nutrients, 12(11), 3273. https://doi.org/10.3390/nu12113273

11 - Russo E. B. (2011). Taming THC: potential cannabis synergy and phytocannabinoid-terpenoid entourage effects. British journal of pharmacology, 163(7), 1344–1364. https://doi.org/10.1111/j.1476-5381.2011.01238.x

12 - https://eybna.com/terpenes/the-terpiodic-table/

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Informação do autor

Neuropsicólogo | Especializado em tratamentos com Cannabis medicinal

Tommaso Bruscolini

Tommaso Bruscolini (Rimini, Itália) é neuropsicólogo e fitoterapista baseado em Barcelona, onde dirige a sua clínica privada desde 2014, tanto pessoalmente como em linha, onde formula e produz diferentes preparações com todo o tipo de plantas medicinais, bem como faz recomendações personalizadas.

Membro do Colégio Oficial de Psicólogos da Catalunha e qualificado como Psicólogo da Saúde, é um especialista em Neuropsicologia, o ramo que estuda o cérebro e a sua função neurológica. Tommaso complementa a sua formação com estudos em Fitoterapia e Herbalismo no Guild of Herbalists da Catalunha e dois Mestres, um em Nutrição e Dietética Herbal e o outro em Mindfulness.

Nos últimos anos especializou-se em Canábis Médico, através de formação privada e colaborações com diferentes entidades no mundo do Canábis Médico, coordenando durante um ano uma clínica especializada em medicina canabinóide, realizando consultas, redigindo artigos, palestras, cursos de formação, bem como realizando consultas e acompanhamento de pacientes.

Actualmente colabora com várias entidades do sector canábis em Espanha, entre outras coisas é o coordenador da área terapêutica da revista DolceVita España, consultor no portal SmokingMap, colaborador da Unión de Pacientes por la Regulación del Cannabis (UPRC) e técnico certificado Alpha-Cat para realizar análises de canabinóides.

O que mais o fascina na planta Cannabis é a possibilidade que tem de mudar o actual paradigma medicinal e terapêutico no sentido de uma visão mais holística ao agir sobre o nosso corpo, mente e humor, de uma forma sinérgica.

CBD, o seu momento diário da natureza.
Descubra todos os nossos produtos
Ir para a loja
Quando a tecnologia e a natureza se encontram, o resultado é O Laboratório Beemine.
Tienda
Inscreva-se e receba 10% de desconto na sua primeira encomenda
usercartmagnifiercrosschevron-downplus-circle
    Conversa aberta
    1
    💬 Precisa de ajuda?
    Olá
    Como é que o podemos ajudar?